mortir
August 24th 1991  (Age 25)
Male

   

<< October 2012 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02 03 04 05 06
07 08 09 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31


telefone alimentado a madeira

Assuntos mecânicos concêntricos adormecem as
memórias, confirmam a melancolia.
Encontraram-no fora da voz, louco de
insígnias. Faltam unhas.
Carne mastigada, estilhaços,
janelas sem ângulos, honestas de
sangue...
O propósito obscuro,
conta-nos, vertebral, o útero
das coisas queimadas amolece das
órbitas.
Sopram por dentro
encaixam mortos nos lugares efémeros.
Acreditam, veementes, nos assuntos
imaculados. Velcro nos olhos ovíparos omnívoros.
Sente-se ferrugem antiga
nos lábios cansados de mortes,
sente-se cromatina no périplo.
E eu, afónico, resto de
tudo, hoje, louco, aqui me
espero de ontem, aqui me
torno a flor de lótus.
Clímax. Sou eu.
E eu, adorno, desembarco nas
humidades.
Fértil chão da morte.


27/X/2008

groze & Su & Mortir



Links:

A liga de murphy
As coisas são como são
conFusão
dodoi
Em copo ou cone?
exanimatus
faz-me espéce
invers o srevni
lonely Gigolo
Papoilas à chuva
Parafernália
Sodoma & Gomorra
sombras
Talvez esperança
Tampa de Caneta






Creative Commons License
O blog Piegas by Mortir is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 3.0 Unported License.


Qualquer cópia de um texto aqui publicado requer a autorização expressa do autor. Caso contrário estarão a ser infringidas as leis de copyright em vigor asseguradas pelo serviço básico de direitos de autor de alojamento na Blogdrive




If you want to be updated on this weblog Enter your email here:



rss feed



 
Friday, October 12, 2012
à verdadeira literatura
se existes
porque te escondes
num vão de escada;
porque te injectas
e soletras o abandono
pela noite dentro?
abraças as pernas e
mordes os joelhos
num hotel velho
dos subúrbios onde
restam apenas
velhos; exilados;
gatos mortos
com as entranhas
pós-modernas
expostas nos beirados.
passeias-te pelo pequeno
quarto decadente e
esperas pelo desembarque
dos pescadores,
dos desesperados
que a morte recusa.
preferes receber na tua
cama os mortos,
os quase-mortos
que procuram no teu abraço
apenas o calor de um corpo
despido.
todas as pessoas dizem
conhecer o teu corpo,
o incêndio,
sem terem
procurado a morte
num copo de vidro
partido. sem saberem
sequer o teu
inaceitável nome.
queimo todos os poemas.
o que me resta de ti é uma volátil
percepção dos passos
nocturnos entre a cama
e a casa de banho
onde choramos a vida
perdidas dos amigos
mortos pela fome,
pela insuficiência
das palavras eternas.









Posted at 01:35 pm by mortir

Bruno Oliveira
October 17, 2012   02:43 PM PDT
 
E mesmo pena, esta estupidez da Blog Drive agora nao deixar escrever com acentos nem pontuacao grafica de toda e qualquer lingua, que nao o ingles... :( mais ainda, porque este poema esta tao mas tao bom (como, de resto, nos tens sempre vindo a habituar) e, a menos que se olhe para ele como uma "experiencia avant-garde a la Cummings", fica so meio destruido e desprovido do seu impacto total... a conta destas brincadeiras e que ja migrei o lonely gigolo para a blogger.
 

Leave a Comment:

Name


Homepage (optional)


Comments




Previous Entry Home Next Entry