mortir
August 24th 1991  (Age 26)
Male

   

<< September 2011 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02 03
04 05 06 07 08 09 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30


telefone alimentado a madeira

Assuntos mecânicos concêntricos adormecem as
memórias, confirmam a melancolia.
Encontraram-no fora da voz, louco de
insígnias. Faltam unhas.
Carne mastigada, estilhaços,
janelas sem ângulos, honestas de
sangue...
O propósito obscuro,
conta-nos, vertebral, o útero
das coisas queimadas amolece das
órbitas.
Sopram por dentro
encaixam mortos nos lugares efémeros.
Acreditam, veementes, nos assuntos
imaculados. Velcro nos olhos ovíparos omnívoros.
Sente-se ferrugem antiga
nos lábios cansados de mortes,
sente-se cromatina no périplo.
E eu, afónico, resto de
tudo, hoje, louco, aqui me
espero de ontem, aqui me
torno a flor de lótus.
Clímax. Sou eu.
E eu, adorno, desembarco nas
humidades.
Fértil chão da morte.


27/X/2008

groze & Su & Mortir



Links:

A liga de murphy
As coisas são como são
conFusão
dodoi
Em copo ou cone?
exanimatus
faz-me espéce
invers o srevni
lonely Gigolo
Papoilas à chuva
Parafernália
Sodoma & Gomorra
sombras
Talvez esperança
Tampa de Caneta






Creative Commons License
O blog Piegas by Mortir is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 3.0 Unported License.


Qualquer cópia de um texto aqui publicado requer a autorização expressa do autor. Caso contrário estarão a ser infringidas as leis de copyright em vigor asseguradas pelo serviço básico de direitos de autor de alojamento na Blogdrive




If you want to be updated on this weblog Enter your email here:



rss feed



 
Friday, September 30, 2011
A propósito do silêncio nas avenidas
os troncos das pedras
sob a forma de costelas
e dentro do mar o absinto
preto mal diluído. ainda
gatos velhos a incendiar
o peito com fósforos vazios
na boca.
quando era mais novo
armazenava corações
nas escarpas. deixava-os
corroer o céu da boca
até chegar ao cérebro
e cuspia para dentro
de uma garrafa de plástico
cortada ao meio onde
antes o meu pai guardara
o tecido morto das fotografias
 e a parede do corredor.
pessoas desconhecidas a penetrar
na caixa de ar das casas antigas
com vozes próprias, com pontes
próprias através dos dentes. às vezes
o crânio a explodir cores secas
e uma espécie de sangue
a partir a paleta no tapete.
o senhorio acabado de morrer.
o meu corpo mais pequeno
a dobrar as esquinas
sucessivas das casas,
das camas partidas com
homens pequenos abraçados
a uma almofada vermelha
com vértices de vidro.
os olhos dentro
de um copo de plástico
para diluir as lágrimas
que restam a um corpo
feito de cinzas. a solidão
com arranjos de mármore
a definir o espaço físico
da morte. os retratos
abandonados no chão,
nas ruínas de uma casa
sem gente que saiba chorar,
sem animais que dêem pela
falta de uma cama de hospital
emprestada
para um final feliz. 



Posted at 02:09 pm by mortir

 

Leave a Comment:

Name


Homepage (optional)


Comments




Previous Entry Home Next Entry